Acesso Restrito

Email:
Senha:
 
 

Retorna a página principal da Biblioteca online www.ceesplanada.com.br

Página Autor

Pardal Mallet
Página da Bibliografia do Autor
 
Pardal Mallet
Pardal Mallet
AcessoRápido:
Biografia

(1864-1894)


João Carlos de Medeiros Pardal Mallet, jornalista e romancista, nasceu em Bagé, RS, em 9 de dezembro de 1864, e faleceu em Caxambu, MG, em 24 de novembro de 1894.

Após os estudos preparatórios na terra natal, veio para o Rio de Janeiro para estudar Medicina. Deixou o curso no 4o ano porque o visconde de Sabóia o ameaçava de reprová-lo se não abandonasse as idéias republicanas que expressava em artigos na imprensa carioca. Ele mantém seus pontos de vista e decide estudar Direito. Inicia o curso em São Paulo e vai concluí-lo em Recife, em plena efervescência da Escola do Recife. Em Pernambuco, manteve-se no jornalismo e publicou um livro de contos, Meu álbum, e um romance, O hóspede. O dia da colação de grau foi um ponto alto em sua vida: republicano arraigado, recusou-se a fazer o juramento legal. Não se sujeitaria às palavras que garantiam o respeito ao regime monárquico. Perante a Congregação declarou que não desejaria ser perjuro no primeiro passo da mocidade. Só com a intervenção de Joaquim Nabuco o diretor da Faculdade concedeu-lhe o grau a que tinha direito.

Voltando ao Rio, em 1888, não exerceu a advocacia. Participou dos movimentos abolicionista e republicano. O jornalismo foi a sua grande paixão espiritual. Foi periodista na Gazeta da Tarde, colaborou em quase todas as folhas cariocas, na Gazeta de Notícias, no Diário de Notícias, escrevendo muitas vezes sob pseudônimos: Armand de Saint Victor, Vítor Leal e Souvarine. Secretariou a Cidade do Rio, de José do Patrocínio. Rompendo com o grande abolicionista, que era anti-republicano, fundou o jornal A Rua, dirigindo-o ao lado de Luís Murat, Olavo Bilac e Raul Pompéia.

Com Paula Ney, a princípio, e depois com Coelho Neto, Pardal Mallet teve grande êxito no panfleto O Meio, publicação periódica de preocupação social, política, literária e artística. A ele se deve a expressão popular "na ponta", registrada no n. 12 do panfleto: "O Meio cada vez mais... na ponta." Fundou o jornal O Combate, saindo o primeiro número em 12 de janeiro de 1892. No artigo de fundo, que lhe serve de programa, Pardal Mallet se declara socialista moderno, científico e construtor. Ali defendeu suas idéias e combateu o governo de Floriano Peixoto, até ser agredido por florianistas exaltados. O governo mandou fechar O Combate e Pardal Mallet foi desterrado para Tabatinga (AM). A agressão que sofreu dos florianistas contribuiu para a debilitação de sua saúde. Voltou para o Rio, onde passou breve temporada no palacete da família, seguindo depois para a casa de veraneio em Caxambu (MG), onde ele esperava curar-se da tuberculose, mas lá veio a falecer, antes de completar 30 anos.

 
Obra:

Hóspede
Download

 

Estrada do Mendanha, n° 1.375/1.391 – Campo Grande - Rio de Janeiro - Cep. 23090-281
Reconhecido pela Portaria n° 3.968/CDCR de 31.08.94
Tel(fax): 2413-8197 / 3406-4163
Email: esplanadaescola@gmail.com

Uma escola evangélica ministrando a Verdade - Zona Oeste -Rio de Janeiro